Butiá (Butia spp.)

by 09:36:00 7 comentários
Butiá (Butia spp.)
           
         Quem nunca ouviu a expressão Foi de cair os butiás do bolso, provavelmente nunca esteve no Sul do Brasil. É uma forma popular, sobretudo no Rio Grande do Sul, de exprimir admiração, perplexidade ou o quanto uma festa estava animada, por exemplo. A origem da expressão (entre outras explicações), deve-se ao fato de que, quando maduros, os butiás caem no chão e as pessoas vão coletando e guardando nos bolsos, de onde facilmente poderiam cair, em caso de movimentos ou paradas bruscas do seu portador.
        Butiá é o nome mais comum no sul do Brasil. Em Goiás e Minas Gerais, é chamado de coquinho-azedo ou também de coco-cabeçudo, uma alusão ao formato arredondado das plantas que ocorrem na região, parecendo mesmo o formato de uma cabeça.
Características botânicas: São plantas de caule único, que pode chegar a 4 ou 5 metros de altura, quando adulto. O pecíolo das folhas apresenta um prolongamento, similar a espinhos. As folhas são pinadas, arqueadas, com coloração variando entre verde-claro a verde-azulada, dependendo da espécie; quando adultas podem medir entre 2 a 3 metros de comprimento. As inflorescências são protegidas por espatas; a raque floral contém numerosas ráquilas com flores femininas e masculinas; pode atingir até 1 metro de comprimento. Os frutos apresentam coloração predominantemente amarela (quando maduros), mas também pode ocorrer frutos avermelhados e até arroxeados, dependendo da espécie; o formato varia entre ovalado a oblongo; a intensidade de aroma a espessura da polpa, também variam entre as diferentes espécies.
Planta de butiá da espécie Butia capitata que ocorre no Brasil central.
Foto: V.V.F. Lima, 2010.
            O gênero Butia é nativo da América do Sul e a Flora do Brasil (Link) descreve pelo menos 20 espécies de ocorrência no país. No Cerrado, as espécies mais conhecidas são o coquinho-azedo ou coco-cabeçudo (Butia capitata), a palmeira-jataí (Butia purpurascens) e o butiazinho (Butia archeri), o qual já foi assunto deste blog (Link). Na região sul do Brasil os butiás mais comuns são das espécies Butia catarinenses, B. eriospatha, B. odorata e B. paraguayensis.
A) Suco de butiá concentrado; B) Licor; C) Cachaça de butiá.
Fotos: J. Camillo e Roberto Carlos Simão (C).
Usos: O butiá é o fruto de uma palmeira típica do Brasil, comestível (quando maduro) e muito versátil para uso gastronômico. O fruto pode ser consumido in natura e a polpa é matéria-prima na elaboração de sucos, geleias e doces. A polpa fatiada ou ralada, pode ser utilizada na elaboração de pratos salgados, como recheio para pastéis, tortas ou quiches. Uma das formas de uso mais popular do butiá, é o curtimento dos frutos em aguardente para a elaboração da famosa Cachaça de butiá, ou macerados e adicionados de açúcar, para a fabricação do licor. A amêndoa produz óleo comestível, mas também pode ser consumida in natura, possui sabor suave que lembra uma castanha.
            Em Goiás e Minas Gerais, são bastante apreciados os picolés e sorvetes de coquinho-azedo, encontrados com facilidade em sorveterias, restaurantes e feiras livres que comercializam produtos do Cerrado. No Mercado Municipal de Montes Claros, norte de Minas Gerais, é possível encontrar entre tantas iguarias regionais, o licor de coquinho-azedo e polpa concentrada e congelada.
A) Strudel de butiá; B) pastel de frango e polpa de butiá fatiada; C) compota; D) geleia. Fotos: J. Camillo (B) e Artesanato Giruá (A, C, D) (Link).
            Outro uso bastante expressivo é na ornamentação, tanto em jardins particulares como na arborização urbana, no Brasil e também em outros países do mundo (Link). O formato da copa e a coloração das folhas das palmeiras butiá, conferem um aspecto escultural à planta, característica importante na ornamentação. O emprego destas plantas em paisagismo e jardinagem pode ser tanto na forma de plantios mistos, em composição com outras espécies, como de forma isolada, conforme a criatividade do paisagista.

Uso ornamental da palmeira butiá. Foto: Pédecafé Paisagismo (Link).

            Nas palmeiras, de modo geral, tudo se aproveita e com o butiá não é diferente. As folhas são matéria-prima para o artesanato regional. As fotos abaixo, dão uma ideia de quantas coisas podem ser confeccionadas com este material e a beleza das peças. Mais informações podem ser obtidas no Blog Artesanato Giruá (Link).

Artesanato confeccionado com a folha e os frutos secos do butiazeiro.
Fonte: Artesanato Giruá e Clic RBS (Link).
Aspectos agronômicos: Como a maioria das palmeiras, a produção de mudas é feita por sementes e é muito importante efetuar uma limpeza cuidadosa dos diásporos (coquinhos) antes da germinação, com a finalidade de evitar o ataque de fungos e formigas durante a germinação. As sementes germinam entre 60 e 300 dias após o semeio e algumas, dependendo do nível de dormência, podem levar até mais de dois anos para germinarem. A quebra de dormência pode ser feita com uso de tratamento térmico ou reguladores vegetais específicos para esta finalidade. No entanto, para maior comodidade, as mudas podem ser adquiridas, com relativa facilidade, diretamente em viveiros de plantas. O cultivo ornamental é feito em pleno sol, em plantios agrupados ou isolados e preferencialmente em áreas amplas.

Detalhe do formato dos frutos do butiá (Butia capitata). Fonte: Moura et al., 2010.

            Não é comum encontrar cultivos comerciais destas espécies, no entanto maiores informações acerca do manejo sustentável das mesmas, podem ser obtidas no livro Boas Práticas de Manejo Para o Extrativismo Sustentável do Coquinho-azedo (Lima, 2010). É preciso lembrar que a coleta indiscriminada dos frutos, levou algumas espécies de butiás a serem incluídas na lista de Plantas Brasileiras Ameaçadas de Extinção (Link). Desta forma, a observação das boas práticas, ao se coletar frutos na natureza, é fundamental para que as gerações futuras também tenham a oportunidade de conhecer essa riqueza de sabores.

Curiosidades: O butiá tem sido descrito em inúmeros artigos, livros, teses e dissertações acadêmicas, sob variados pontos de vista, mas principalmente porque está enredado na cultura gastronômica de vários povos brasileiros. Em especial no Rio Grande do Sul, encontram-se maciços de plantas conhecidos como Butiazais (sul do Estado), alguns deles coincidem com o traçado de antigas linhas férreas. Um agricultor gaúcho me contava, que este fato não é apenas coincidência, uma vez que os frutos serviam de alimento aos passageiros que durante suas viagens de trem, ao descartar os coquinhos, colaboravam para a disseminação das plantas pela região. Este e outros fatos, podem ser creditados através de achados arqueológico, comprovando que o butiá fez, e faz, parte da história cultural da região há vários séculos.
            Outro relato interessante, consta no trabalho de Rossato e Barbieri (2007), constatando que o butiá era utilizado como fonte de alimento pelos indígenas rio-grandenses, uma vez que podia ser armazenado por um longo período. As folhas eram empregadas no artesanato, fabricação de cestas, chapéus, bolsas, redes, armadilhas para caça e pesca e até na cobertura de cabanas. Índios nômades que habitavam a região das Missões e Planalto Central gaúcho no período de verão, no inverno partiam para o Paraná, na região de Foz do Iguaçu, e levavam consigo frutos de butiá para alimentação. Como muitos jogavam as sementes pelo caminho, a rota que os índios faziam ficou evidenciada pelos palmares remanescentes, plantados aleatoriamente por este processo, chamado de “caminho dos butiás”.
 
Butiazal no Deserto do Cati, Quaraí - RS. Foto: Francisco Ricardo Galvani (Link).
Agradecimentos: Este trabalho foi sugestão do meu amigo Roberto Carlos Simão, a quem agradeço a gentileza na cessão de imagens e a oportunidade de revisitar um pouco das memórias da minha infância.

Referências Bibliográficas

ARTESANATO GIRUÁ. Receitas com butiá. Disponível em: Link. 2015.
ARTESANATO GIRUENSE. Artesanato com butiá. Disponível em: Link. 2015.
BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Lista Oficial das Espécies da Flora Brasileira Ameaçadas de Extinção. Instrução Normativa n. 06, de 23 de setembro de 2008. Disponível em: Link
DICIONÁRIO INFORMAL. 2015. Disponível em: Link
LEITMAN, P.; SOARES, K.; HENDERSON, A.; NOBLICK, L.; MARTINS, R.C. Arecaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: Link. Acesso em: 22 Jan. 2015.
LIMA, V.V.F. Boas Práticas de Manejo Para o Extrativismo Sustentável do Coquinho-azedo. Embrapa. 2010. Disponível em: Link.
MOURA, R.C. et al. Biometria de frutos e sementes de Butia capitata (Mart.) Beccari (Arecaceae), em vegetação natural no Norte de Minas Gerais, Brasil. Biota Neotropica, 10(2), 415-419, 2010.
ROSSATO, M., BARBIERI, R.L. Estudo etnobotânico de palmeiras do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Agroecologia, 2(1), 2007.

WOEHL-JUNIOR, G.  Butiá do Brasil é a palmeira preferida para paisagismo na Coréia do Sul. 2012. Disponível em: Link

7 comentários:

  1. Julceia amei seu blog! E adoro butia pena que aqui na Irlanda nao temos gostaria de sementes seria possivel vc enviar-me? Pago gastos.
    Aguardo seu comentario.
    Grata
    viviane.barry@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezada Viviane, muito obrigada! Infelizmente não posso lhe enviar sementes por conta da legislação internacional que impede o envio de partes vegetais entre os países. Mas venha ao Brasil quando puder, voce vai encontrar essas delicias do Butiá no sul e também em Goiás e Minas. Grande abraço

      Excluir
  2. O nosso Butiazeriro forma cachos mas as frutas são pequenas e secas. O que pode star acontecendo e o que podemos fazer para frutificar de forma adequada ? Heinz ARthur Niederheitmann - Piraquara - PR

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Arthur, desculpe a demora em responde-lo. Uma problema sério, segundo especialistas, é a polinização dos butiazeiros. Algumas espécies necessitam que se faça polinização manual para produzirem frutos em quantidade e de boa qualidade. Outro problema também pode ser a nutrição deficiente da sua planta, a falta de micronutrientes pode provocar o abortamento de flores, baixa produção de frutos ou frutos deformados. Mais informações você poderá obter clicando no link abaixo:

      http://delbutia.com/wp-content/uploads/2015/04/Manual-BP-Butia.pdf

      Excluir
  3. Esta cachaça de butiá é alcoólicas certo?? O álcool vem dá frutas ou é acrescentado depois?

    ResponderExcluir
  4. Em casa dos meus pais existiam três tipos de butiá com três sabores diferentes e muito saborosos. Nasciam naturalmente e sem cuidados

    ResponderExcluir
  5. Em casa dos meus pais existiam três tipos de butiá com três sabores diferentes e muito saborosos. Nasciam naturalmente e sem cuidados. Morávamos na Região das Missões, onde existiram Os Sete Povos Jesuíticos. Quem se lembra? Nunca esquecerei aquela Região!! Frutas nativas? Sete Capote,Cerejas,Pitangas, Pessegueiro do Mato,Guaporiti, Guabijú,Amoras branca e preta,

    ResponderExcluir

Este blog foi criado com o objetivo de informar e entreter. Apresentar uma espécie vegetal seus usos, potencialidades e curiosidades, com informações mais detalhadas, para que as pessoas conheçam e contemplem a beleza de cada espécie.O conteúdo é destinado a toda comunidade e serão muito bem vindas, todas as colaborações daqueles que estejam dispostos a dividir seu conhecimento com quem tem sede de aprender sempre.