Canela-de-ema (Vellozia squamata Pohl)

by 5/24/2015 10:23:00 AM 6 comentários
Nestes dias que dão início à estação seca, o Cerrado ganha um colorido extra com a delicada florada da canela-de-ema. Uma planta que só é encontrada neste bioma e cujo nome está associado às semelhanças com as Emas. Os caules são dispostos de modo semelhante à distribuição dos dedos do animal e os tufos de folhas da planta, lembram as penas da ave.
Canela-de-ema (Vellozia squamata Pohl). Foto: J. Camillo.
Caules e folhas que lembram as características de
uma Ema (ave). Foto: J. Camillo.
Descrição botânica: Pertence à família Velloziaceae, apresenta-se na forma de arbusto ou subarbusto. O tronco é ereto e ramificado; os ramos são geralmente curtos, cilíndricos e agrupados em nós concêntricos de bainhas fibrosas. As folhas são simples concentradas na porção terminal dos ramos (rosulada) e com textura áspera. As flores tem coloração lilás, com variações na tonalidade. Os frutos são tipo cápsula, cobertos por pequenos espinhos, sua coloração varia entre verde a marrom-claro conforme avança a maturação. As sementes são bastante numerosas, pequenas e de coloração castanha. A floração ocorre entre os meses de abril a junho, com frutificação em paralelo, podendo estender-se até o mês de outubro. Apresenta como sinônimo botânico Vellozia flavicans Mart. ex Schult. & Schult.f., que deve ser considerado na busca de informações sobre a espécie, uma vez que muitos autores utilizam esta sinonímia em suas publicações.
 
Planta de canela-de-ema em ambiente de Cerrado
alterado. Foto: J. Camillo.
Onde ocorre: É uma planta nativa e endêmica da flora do Brasil, ou seja, sendo encontrada apenas em nosso país e restrita ao bioma Cerrado dos estados de Bahia, Minas Gerias, Goiás, Distrito Federal e Mato Grosso, nas formações tipo campo rupestre e cerrado latu sensu. Cresce em solos pobres ou mesmo sobre pedras.
Usos: Apresenta grande potencial ornamental, conferido pela singularidade de sua arquitetura foliar e beleza das flores. Pode ser utilizada como elemento na composição de jardins, de forma isolada ou em conjunto, sozinha ou combinada com outras espécies. Os caules também possuem potencial ornamental e podem ser empregados na produção de arranjos artesanais ou na extração de fibras para produção de cordas e sacarias. Na medicina popular, existem relatos do seu uso como anti-inflamatório no tratamento de contusões e dores em geral. Estudos fitoquímicos demonstraram que os extratos obtidos das folhas e caules da canela-de-ema, possuem óleos essenciais e propriedade antioxidante.
 

Exemplos de uso da canela-de-ema em jardins. Fotos: J. Camillo.
Curiosidade: A coloração das flores desta espécie inspirou uma linha de esmaltes denominado “Canela-de-ema”.

Frutos: Foto: J. Camillo.
Aspectos agronômicos: São poucos os dados agronômicos disponíveis sobre a Canela-de-ema, principalmente quanto à produção de mudas, sendo este um dos limitadores para o uso econômico desta planta. A produção de mudas pode ser feita através de sementes recém colhidas, nestas condições a germinação é superior a 90%, ocorrendo em até 10 dias. O substrato deve ser leve, assim como a camada de cobertura das sementes, pois estas são pequenas e delicadas. O desenvolvimento das plantas é lento.
            Estudos demonstram que a germinação in vitro, pode ser uma alternativa viável para a produção de mudas de alta qualidade e em menor tempo, comparando-se à germinação convencional. Esta técnica já tem sido utilizada com sucesso na propagação comercial de orquídeas e bromélias.
 
Flor de canela-de-ema e abelha Xylocopa. Foto: J. Camillo.
Referências bibliográficas

ALMEIDA, S.P. et al. Cerrado: espécies úteis. Planaltina: EMBRAPA-CPAC, 1998.
FREITAS-NETO, O.G. Micropropagação e anatomia foliar de canela-de-ema (Vellozia flavicans) em diferentes condições ambientais. Universidade de Brasilia. 2009.
MELLO-SILVA, R. Velloziaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <Link>. Acesso em: 24 Mai. 2015.

QUINTÃO, F.J.O. Caracterização dos óleos essenciais de Microlicia graveolens, Melaleuca leucadendron e de extratos hidroalcoólicos das folhas e caules de Vellozia squamata para o desenvolvimento de nanoemulsões para uso farmacêutico. 2013.

6 comentários:

  1. Parabéns pela matéria! Estive recentemente na Chapada dos Veadeiros na época das chuvas e vi várias canelas-de-ema floridas! É uma planta espetacular! Obrigada pelas informações e citação de fontes. A página ajudará muito na minha pesquisa de espécies ornamentais de Cerrado.
    Heloisa Antunes - Agrônoma Paisagista - São Paulo - SP
    heloisa.paisagismo@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Helísa!
      Tenho interesse em saber mais sobre sua pesquisa...

      Excluir
  2. Amei as informações sobre a planta...pois não sabia nada fa canelas-de-ema. Flores bonitas...

    ResponderExcluir
  3. Gostaria que o autor adicionasse o estado do Tocantins ao texto pois aqui encontramos bastante camela de ema e o estado é composto por cerrado também não so nos Estados da Bahia,Minas Gerais, Goiás, Distrito Federal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aonde se encontra aqui no Tocantins tenho interesse na planta, para fins medicinais

      Excluir
  4. Essa planta pode molhar todo dia e ficar o dia todo no sol

    ResponderExcluir

Este blog foi criado com o objetivo de informar e entreter. Apresentar uma espécie vegetal seus usos, potencialidades e curiosidades, com informações mais detalhadas, para que as pessoas conheçam e contemplem a beleza de cada espécie.O conteúdo é destinado a toda comunidade e serão muito bem vindas, todas as colaborações daqueles que estejam dispostos a dividir seu conhecimento com quem tem sede de aprender sempre.